Conferência 30 ANOS +
Entrega Prémio Maria de Sousa 2024

Aula Magna da Universidade de Lisboa
9 de outubro, 17:00
Ver mais

Apoios à Investigação Científica 2024/2025

Candidaturas abertas até 31 de agosto
Ver mais

Prémio BIAL de Medicina Clínica 2024

Candidaturas abertas até 31 de agosto
Ver mais

Fundação BIAL

Há 30 anos a distinguir e apoiar os que procuram avançar na ciência e no conhecimento em Portugal e no mundo.
Ver mais

Últimas Novidades

Não perca os nossos Destaques e Science Stories
Ver mais



Sobre nós

Ver mais



Prémios

Ver mais



Apoios

Ver mais



Simpósios

Ver mais

Notícias

Notícias

Poderá o comportamento não-verbal do prestador de cuidados de saúde modular os relatos de dor e os efeitos placebo?

Os efeitos de comportamentos não-verbais de prestadores de cuidados de saúde nos relatos de dor e efeitos placebo podem ser diferentes entre homens e mulheres.

Saber mais

Em que medida os limites do nosso corpo parecem desaparecer durante a meditação de atenção focada?

Investigação revela que uma sessão de meditação de atenção focada de 15 minutos permitiu esbater a fronteira entre o eu e o ambiente.

Saber mais

É possível regular a sensação de repugnância através da toma de placebo imaginário?

Estudo comparou os efeitos de um comprimido placebo e de um comprimido imaginário na redução da repugnância induzida visualmente.

Saber mais

Notícias

Será que os investigadores psi e os céticos pensam de forma semelhante?

Fenómenos psi, como perceção extrassensorial e sobrevivência após a morte física, que não são explicados por processos cognitivos, neurais ou fisiológicos conhecidos, têm gerado interesse e curiosidade, mas também controvérsia. Os estilos cognitivos relacionados com a avaliação da evidência e a obtenção de conclusões são relevantes para a natureza controversa da psi, pois fornecem uma visão mais aprofundada de como diferentes grupos abordam os fenómenos psi. A equipa de investigação, liderada por Marieta Pehlivanova, comparou os estilos cognitivos, especificamente o pensamento mente ativamente aberto (em inglês Actively Open-minded Thinking - AOT) e a necessidade de resposta (em inglês Need for Closure - NFC), de 144 participantes divididos em quatro grupos: investigadores académicos de psi, indivíduos leigos que acreditam em psi, académicos que são céticos em relação à psi e leigos que são céticos. Por um lado, observaram que os investigadores académicos de psi demonstraram elevados níveis de AOT, semelhantes aos dos académicos e dos leigos céticos, e que o grupo psi leigo tinha níveis mais baixos de AOT do que os outros grupos. Por outro lado, não foram encontradas diferenças significativas na NFC entre os grupos, e os investigadores académicos de psi exibiram elevados níveis de crença psi comparáveis aos dos leigos crentes. Estes resultados sugerem que, apesar de sua grande crença nos fenómenos psi, os investigadores psi têm necessidade de certeza e de recolher evidências para suportar o raciocínio, tal como os céticos. Este estudo foi desenvolvido no âmbito do projeto de investigação 212/20 - Comparing cognitive styles among parapsychology researchers, psi-believers, and skeptics, apoiado pela Fundação BIAL, e publicado na revista científica Frontiers in Psychology, no artigo Cognitive styles and psi: psi researchers are more similar to skeptics than to lay believers.

Saber mais

Fundação BIAL traz a Portugal António Damásio para conferência “Sobre a Fisiologia da Mente”

Para assinalar os seus 30 anos, a Fundação BIAL traz a Portugal António Damásio e Hanna Damásio, para uma conferência que vai ter lugar no dia 9 de outubro em Lisboa.

Saber mais

Quais são os efeitos da expectativa na perceção de faces e a sua relação com a expertise?

No âmbito do projeto de investigação 129/20 - Investigating the role of expertise in the predictive coding framework combining time resolved neural and behavioural evidence, apoiado pela Fundação BIAL, Marie Smith e colaboradores, através de uma tarefa de categorização comportamental em que 67 participantes aprenderam a associação probabilística entre uma cor e uma categoria visual de alta e baixa expertise (faces e carros, respetivamente), avaliaram o nível individual de expertise em cada categoria. Encontraram que a perceção da categoria de alta expertise (faces) foi modulada pela expectativa. Ou seja, houve uma resposta mais rápida quando as faces eram esperadas. Além disso, na análise da atividade neural (EEG), houve efeitos da expectativa, com descodificação significativa da resposta neural a estímulos esperados. Estes resultados apoiam a influência da expectativa na perceção de faces, destacam o papel da expertise e chamam a atenção para a variabilidade individual que, muitas vezes, é negligenciada. Mais informações disponíveis no artigo Effects of expectation on face perception and its association with expertise publicado na revista científica Scientific Reports.

Saber mais