Conferência 30 ANOS +
Entrega Prémio Maria de Sousa 2024

Aula Magna da Universidade de Lisboa
9 de outubro, 17:00
Ver mais

Apoios à Investigação Científica 2024/2025

Candidaturas abertas até 31 de agosto
Ver mais

Prémio BIAL de Medicina Clínica 2024

Candidaturas abertas até 31 de agosto
Ver mais

Fundação BIAL

Há 30 anos a distinguir e apoiar os que procuram avançar na ciência e no conhecimento em Portugal e no mundo.
Ver mais

Últimas Novidades

Não perca os nossos Destaques e Science Stories
Ver mais



Sobre nós

Ver mais



Prémios

Ver mais



Apoios

Ver mais



Simpósios

Ver mais

Notícias

Notícias

O seu cão tem competências sociais?

Estudo revela que a visualização do rosto do dono funciona como reforço social positivo para os cães. Conheça resultados intrigantes sobre o “melhor amigo do homem”.

Saber mais

Notícias

Como o stress durante a gravidez pode afetar o sono da criança?

Desana Kocevska, investigadora principal do projeto de investigação 381/20 - Pathways from prenatal and postnatal stress to sleep quality across childhood: The role of the amygdala and cortisol, apoiado pela Fundação BIAL, estudou o impacto do stress psicossocial pré-natal (eventos de vida, stressores contextuais, parentais e interpessoais) no sono de 4.930 crianças aos 2 meses, 1.5, 2, 3 e 6 anos. Além disso, determinou o risco poligénico para a insónia numa subamostra de 2.063 crianças. Observou-se um maior stress pré-natal total associado a mais problemas de sono em todos os momentos entre os 2 meses e os 6 anos de idade. O stress pré-natal e, em particular, os eventos negativos de vida durante a gravidez, interage com a probabilidade genética para insónias, exacerbando os problemas de sono aos 6 anos de idade. Para saber mais sobre este estudo, consulte o artigo A Longitudinal Study of Stress During Pregnancy, Children’s Sleep and Polygenic Risk for Poor Sleep in the General Pediatric Population publicado na revista científica Research on Child and Adolescent Psychopathology.

Saber mais

Até que ponto os olhos em robots fazem a diferença?

Artur Pilacinski, investigador principal do projeto de investigação 260/22 - TrustyCobots: Human-like or machine-like? Tracking psychophysiological components of trust in human-robot collaboration, apoiado pela Fundação BIAL, avaliou, com recurso a medidas subjetivas e objetivas (frequência cardíaca, tamanho da pupila e velocidade de execução), o nível de confiança dos humanos em robots durante uma tarefa colaborativa, em função de estes terem ou não olhos. Apesar de os humanos percecionarem ter uma ligeira maior confiança nos robots com olhos, eles apresentaram pupilas mais dilatadas (indicador de maior interesse no objeto) e realizaram a tarefa mais rapidamente quando interagiram com os robots sem olhos. Os dados parecem sugerir que os humanos não necessitam que as máquinas sejam parecidas com humanos para confiar e trabalhar com elas. Aliás, eles parecem colaborar melhor com máquinas que se parecem com máquinas, isto é, sem olhos. Para saber mais sobre este estudo, consulte o artigo The robot eyes don't have it. The presence of eyes on collaborative robots yields marginally higher user trust but lower performance publicado na revista científica Heliyon.

Saber mais

O contributo do núcleo accumbens na ansiedade

No âmbito do projeto de investigação 175/20 - The role of nucleus accumbens in the perception of natural rewards, liderado por Carina Cunha e apoiado pela Fundação BIAL, foi publicado o artigo Involvement of nucleus accumbens D2–medium spiny neurons projecting to the ventral pallidum in anxiety-like behaviour na revista científica Journal of Psychiatry & Neuroscience. Neste estudo, evidencia-se o contributo de uma população específica de neurónios dopaminérgicos num núcleo central para comportamentos emocionais, agora no contexto de ansiedade.

Saber mais