Notícias

Science Stories

É a concretização da nossa missão. Desde a sua criação a Fundação BIAL já aprovou para financiamento 865 projetos, envolvendo mais de 1700 investigadores de 30 países. São três décadas de apoios a Projetos de Investigação Científica orientados para o estudo neurofisiológico e mental do ser humano, nas áreas da Psicofisiologia e da Parapsicologia.

Conheça as histórias por detrás da ciência.

Science Stories

A gratidão faz bem ao coração?

Estudo revela que a gratidão pode atenuar as consequências fisiológicas negativas do stress e melhorar globalmente os resultados cardiovasculares.

Saber mais

Pessoas com maior paz de espírito conseguem regular melhor as emoções?

Investigação revela que pessoas com níveis mais elevados de paz de espírito são melhores a regular as suas emoções, em vez de as suprimirem.

Saber mais

Stress da mãe durante a gravidez pode afetar o sono da criança na infância

Estudo revela que o stress psicossocial das mães durante a gravidez tem associações negativas com o sono dos filhos ao longo da infância.

Saber mais

Robôs têm de ser parecidos com humanos para confiarmos neles?

Investigação avaliou o nível de confiança dos humanos em robôs durante uma tarefa colaborativa, em função de estes terem ou não olhos.

Saber mais

O que têm em comum as experiências de quase morte e as experiências psicadélicas?

Investigadores analisaram as semelhanças e diferenças entre uma experiência de quase morte e uma experiência induzida por uma droga psicadélica.

Saber mais

O que mais interfere na nossa memória de curto prazo?

Investigadores realizaram experiências para explorar os efeitos da mudança na sequência da estimulação vibro-tátil na memória de curto prazo.

Saber mais

Traumas na infância podem provocar insónia nos adultos?

Investigação demonstrou que experiências adversas na infância resultam em formas mais disfuncionais de lidar com vergonha e aumentam gravidade dos casos de insónia.

Saber mais

Experiências de quase morte em sobreviventes de UCI

Investigação com 126 pacientes internados em UCI durante pelo menos 7 dias revela que 15% reportaram ter tido uma experiência de quase morte.

Saber mais

Idosos podem melhorar a memória episódica através da neuroestimulação do cerebelo

Estudo demonstrou que a neuroestimulação do cerebelo conduziu a melhorias no desempenho da memória episódica em idosos saudáveis.

Saber mais

News

A perceção do movimento visual

As interações diárias com o contexto exigem uma estimativa correta das velocidades de movimento do próprio e do objeto. A perceção da velocidade de movimento do objeto é essencial para abordá-lo ou evitá-lo adequadamente. Em muitas circunstâncias, a perceção do movimento do objeto é complexificada pelo movimento próprio concomitante. Um dos principais desafios para o sistema visual é determinar a fonte do movimento que gera o padrão de fluxo: movimento do próprio, movimento do objeto ou a sua combinação. Neste enquadramento, a equipa de investigação liderada por Valentina Sulpizio teve como objetivo estabelecer (1) a sensibilidade de várias regiões corticais relacionadas com o movimento (regiões de automovimento) a diferentes condições de movimento induzidas visualmente, incluindo deslocamentos do próprio e de objetos e uma combinação destes; e (2) se a atividade dessas regiões foi afetada pela velocidade do movimento do próprio e do objeto, fornecendo assim uma nova visão sobre seu papel na discriminação entre diferentes velocidades de movimento do próprio e do objeto. Um perfil diferenciado emergiu entre as regiões de automovimento (área visual do sulco cingulado, área do sulco cingulado posterior, córtex insular posterior [CIP], V6+, V3A, IPSmot/VIP e MT+). Todas as regiões de automovimento (exceto a área CIP) responderam a todas as combinações possíveis de movimento do próprio e do objeto e foram ainda moduladas pela velocidade de movimento do próprio. Curiosamente, apenas MT+, V6+ e V3A foram ainda modulados pelas velocidades de movimento do objeto, refletindo assim seu possível papel na discriminação entre velocidades distintas de movimento do próprio e do objeto. Estes resultados são detalhados no artigo Neural sensitivity to translational self- and object-motion velocities publicado na revista científica Human Brain Mapping, no âmbito do projeto 24/20 - World-relative object motion: How the brain detects object motion while we are moving, apoiado pela Fundação BIAL.

Saber mais

Luís Portela recebe Prémio Universidade de Lisboa

Prémio atribuído em reconhecimento do “impacto social, a personalidade inovadora, o empreendedorismo singular e a liderança visionária".

Saber mais

BIAL Award in Biomedicine 2023 distingue investigação pioneira sobre cancro do cérebro

Uma equipa liderada por investigadores da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, venceu o BIAL Award in Biomedicine com um trabalho focado na neurociência do cancro.

Saber mais

Presidente da República condecora Fundação BIAL nos seus 30 anos

O Presidente da República entregou, no dia 20 de fevereiro, as insígnias de Membro Honorário da Ordem do Mérito à Fundação BIAL.

Saber mais

A influência das referências espaciais ambientais na autoperceção de movimento

Quando caminharmos pelos arredores, para nos movimentar estamos constantemente a basear-nos em sinais internos do sistema vestibular, juntamente com referências espaciais visuais e acústicas do ambiente. No entanto, a interação entre os sinais internos e as referências espaciais ambientais ainda não é totalmente compreendida. Para suprir esta lacuna, Elisa Ferrè, investigadora principal do projeto de investigação 41/20 - Luminous dancing fairies in weightlessness: How gravity shapes conscious experiences, apoiado pela Fundação BIAL, pretendeu investigar a influência das referências espaciais visuais e auditivas ambientais na autoperceção de movimento. Uma tarefa de deteção de automovimento foi administrada a vinte e seis participantes saudáveis, na qual eles foram solicitados a detetar breves sensações de automovimento induzidas por estimulação galvânica vestibular de baixa intensidade. Os participantes realizaram esta tarefa com ou sem uma referência espacial visual ou acústica posicionada diretamente à sua frente. Os resultados indicaram que a referência visual espacial aumentou a sensibilidade para detetar o automovimento. Por outro lado, a referência espacial acústica não influenciou a sensibilidade ao automovimento. Isto parece sugerir uma interação específica entre os sistemas visual e vestibular na perceção do automovimento. Mais informações disponíveis no artigo paper Spatial Sensory References for Vestibular Self-Motion Perception publicado na revista Multisensory Research.

Saber mais

BIAL Award in Biomedicine 2023: cerimónia de entrega

O trabalho vencedor do BIAL Award in Biomedicine 2023, selecionado entre 70 nomeações, será anunciado no dia 20 de fevereiro de 2024, às 18:00.

Saber mais

A interação entre o ritmo e as capacidades motoras

São Luís Castro, investigadora principal do projeto de investigação 304/14 - The impact of music training on reading and mathematical abilities of normal and reading disabled children: a behavioral and neuroimaging longitudinal study, apoiado pela Fundação BIAL, pretendeu estudar, a nível comportamental e cerebral, a interação entre o ritmo e as capacidades motoras no contexto do treino musical. Num estudo longitudinal com crianças, foi explorado se a capacidade de perceber ou reproduzir o ritmo (predisposição) modula as melhorias motoras associadas ao treino musical, e foram identificadas regiões cerebrais implicadas na interação entre o ritmo e a aprendizagem motora. Cinquenta e sete crianças de 8 anos participaram num estudo longitudinal onde completaram tarefas rítmicas e motoras, bem como exames de ressonância magnética estrutural antes e depois de um treino musical de 6 meses (n= 21) ou de um programa desportivo (n= 18), ou de nenhum treino específico (grupo de controlo passivo, n = 18). Verificou-se que o treino musical melhorou o desempenho motor (e também o ritmo), e que a magnitude da melhoria dependeu da capacidade de perceber o ritmo antes do treino (ou seja, melhor predisposição para o ritmo, melhorias mais significativas). O treino musical também induziu uma perda de volume de massa cinzenta no cerebelo esquerdo e no giro fusiforme, e a perda de volume estava correlacionada com maiores ganhos motores. Nenhum desses efeitos foi verificado no grupo desportivo e de controle. As implicações destes resultados são apresentadas no artigo Individual differences in rhythm perception modulate music‑related motor learning: a neurobehavioral training study with children publicado na revista científica Scientific Reports.

Saber mais

Como as pessoas com deficiência visual percecionam a autenticidade emocional?

No âmbito do projeto de investigação 148/18 - Voice perception in the visually deprived brain: Behavioral and electrophysiological insights, apoiado pela Fundação BIAL, a equipa de investigação liderada por Tatiana Conde, pretendeu analisar como pessoas com deficiência visual percecionam a autenticidade emocional. Combinando medidas comportamentais e potenciais evocados por eventos (em inglês: event-related potentials, ERP), avaliaram a perceção de autenticidade emocional de risos e choros em 51 participantes: indivíduos que nasceram ou ficaram cegos numa fase precoce da vida (n = 17) numa fase tardia (n = 17), bem como um grupo de controlo de normovisuais (n = 17). Comportamentalmente, os participantes com cegueira precoce e com visão tiveram um desempenho semelhante na perceção da autenticidade emocional, mas o grupo com cegueira tardia teve um pior desempenho comparativamente ao grupo de controlo. Nas respostas cerebrais, todos os grupos foram sensíveis à autenticidade do riso no estádio P2 e à autenticidade do choro no estádio inicial do LPP. No entanto, apenas os participantes com cegueira precoce foram sensíveis à autenticidade do choro nos estádios N1 e intermediário do LPP, e à autenticidade do riso no estádio inicial do LPP. Além disso, os participantes com cegueira precoce e os normovisuais foram mais sensíveis do que os com cegueira tardia à autenticidade do choro nos estádios P2 e LPP tardio. Em conjunto, estes resultados sugerem que a privação visual prolongada com início tardio, deteriora a perceção de autenticidade emocional. Para saber mais sobre este estudo, consulte o artigo Blindness influences emotional authenticity perception in voices: Behavioral and ERP evidence publicado na revista científica Cortex.

Saber mais

Prémio Maria de Sousa 2024: candidaturas abertas

Estão abertas as candidaturas para o Prémio Maria de Sousa 4ª edição – 2024, promovido pela Ordem dos Médicos e Fundação BIAL.

Saber mais

Looking for collaboration

The quest of physiological markers for the experience of pain

Researcher: Elia Valentini - Department of Psychology & Centre for Brain Science, University of Essex Summary: The aim of this project is to improve measurement of the human experience of pain by investigating a combination of psychophysical and physiological responses during mild noxious stimulation. More specifically, we want to investigate how sensitive and specific to pain the brain oscillatory responses are. We use EEG as the main technique, but we are keen to collaborate with neuroscientists using fMRI, autonomic measures and brain stimulation as well as with computational neuroscientists. A clinical collaborator would also be very much welcome.

Saber mais

EEG investigation of hypnosis and decision-making

Researcher: Rinaldo Livio Perri - University Niccolò Cusano Rome, Italy Summary: I work in the field of hypnosis and cognitive neuroscience. In particular, I adopt the event-related potentials (ERPs) to investigate the effect of the hypnotic suggestions on sensory processing and cognitive performance. I am an expert in decision-making and proactive brain processes before the stimulus administration (e.g., the perceptual, prefrontal and premotor readiness during the expectancy stage). I could help colleagues to properly analyze the ERP signal in the pre-stimulus stage of processing. Also, I would be happy to share my EEG data for re-analyzing them in the frequency domain (e.g., wavelet or coherence analysis in the hypnosis research). Feel free to contact me for any question! More information on my papers: https://scholar.google.it/citations?user=-8e_V64AAAAJ&hl=it Possible collaborations: neuroscientist with experience in the EEG frequency analysis Email: perri.rinaldo@gmail.com

Saber mais

Transparent Psi Project - looking for collaborators

Summary: We are running a fully transparent, expert consensus-base multilab replication of Bem’s (2011) experiment 1. The project features state of the art methods to maximize transparency and study integrity. The study involves a computerized experiment taking about 20 minutes per session. Group testing is possible in a computer lab, no specialized equipment needed. Labs are expected to recruit at least 100 participants. Participants will be exposed to images with explicit erotic/sexual content in the experiment. No financial compensation is required for the participants. Data collection is expected to take place in the 2020 fall semester. Every material is provided for ethics/IRB submissions and data collection in English (translation of materials might be necessary by the collaborators). The study is pre-registered and the manuscript is accepted in principle for publication in the journal Royal Society Open Science. All collaborators who meet the minimum sample size criterion will get authorship on this paper reporting the results of the replication study. More information in the preprint: https://psyarxiv.com/uwk7y/ Indicate interest in the collaboration via the following form: https://tinyurl.com/tpp-labs With any question contact the lead investigator: Dr. Zoltan Kekecs, kekecs.zoltan@gmail.com

Saber mais

Cognitive control and learning

Researcher: Ignacio Obeso, Ph.D. / CINAC - HM Puerta del Sur Summary: The aim of our projects is to understand the behavioral and neural mechanisms used to learn how humans establish adaptive behaviour in changing contexts. More specifically, we want to decipher how stopping abilities are initially learned and later executed under automatic control. We use task-related fMRI, brain stimulation and clinical models to test our predictions in laboratory settings as well as online home-based paradigms. Possible collaborations: computational scientist Email contact: i.obesomartin@gmail.com https://iobesomartin.wixsite.com/cognitivecontrol

Saber mais